Blog da PR

Archive for maio 2009

Foto de Leonor Correia

(…) Mas por que desaparece tanta gente, todos os dias, em redor de nós, sem que possamos admitir que esses desaparecimentos sejam de origem lírica?

Ouço pelo rádio as famílias, os amigos, os conhecidos que indagam, inquietos, que reclamam, descrevem, dão sinais, indicam pistas. Há desaparecidos de todas as idades e cores, e ambos os sexos, das mais variadas condições sociais: quem tiver notícias de seu paradeiro é favor informar às pessoas aflitas que os procuram.

Mas quem vai saber o paradeiro da mocinha de blusa cor-de-rosa e saia amarela que, assim colorida, bateu asas sem se despedir dos parentes? Quem viu o menino de blusão verde e sapatos novos que saiu de casa pela tardinha e lá se foi andando – e irá andando enquanto tiver boas solas nos sapatos – por muito que os pais inconsoláveis o estejam chorando e os vizinhos não possam entender tamanha ingratidão? Que foi feito da velhinha, um pouco desmemoriada, que saiu para a missa e depois entrou por um caminho desconhecido, com seu vestido cinzento, sua bolsinha de verniz e duas travessas no cabelo?

Há os desaparecidos recentes: de ontem, da semana passada, de há um mês ou dois. Assim mesmo recentes não se encontram vestígios seus em parte alguma. Foram raptados? Ficaram debaixo do trem? Subiram para algum disco voador? Afogaram-se? Partiram para o secreto paraíso onde não querem ser importunados? Embarcaram para Citera? Quem sabe o que lhes aconteceu?

Mais comoventes, porém, é a busca de desaparecidos antigos: “procura-se uma conhecida que há três anos não se encontra…” Para onde foi a jovem Marília que há cinqüenta anos disse que ia trabalhar no Rio de Janeiro?… Que é feito do rapaz moreno, com um sinal no queixo, que usava um cordãozinho de outro com a imagem de São Jorge?

Todas essas pessoas e muitas outras estão sendo procuradas, pacientemente, com anúncios pelos jornais e nas emissoras. Uma incansável busca. Gente de todos os Estados do Brasil, gente com vários compromissos: eram noivos, eram chefes de família, eram donas-de-casa.. Gente miúda, que não se esperava desse capaz de meter-se em aventuras: meninotas e rapazinhos em idade escolar; mocinhas que pareciam tímidas e assustadas, moços ainda sem emprego…

(…) Mas os afetos vigilantes continuam, inconformados, a recordar os ausentes – todos os dias novos, todos os dias mais numerosos – e, por humildes lugares, famílias tristes cultivam longos canteiros de saudades.

(Trechos da crônica – GENTE DESAPARECIDA)
Cecília Meireles. Escolha o Seu Sonho – Editora Record, p.43-45

Você sabia que o Brasil registra mais ou menos 40 mil desaparecimentos de crianças e adolescentes por ano?

Você sabia que aqui não existe uma rede ou cadastro nacional para registrar informações dos desaparecidos?

Você sabia que não há comunicação entre a polícia militar, civis e federal, em relação ao desaparecimento de uma criança?

Precisamos criar no Brasil o ALERTA AMBER.

Acesse o vídeo abaixo para saber o que é o ALERTA AMBER:

http://www.youtube.com/watch?v=6GAQfP3W020

OBJETIVOS

Refletir nos diferentes olhares sobre o fenómeno das Crianças Desaparecidas e/ou Exploradas Sexualmente;

Apresentar o Diretório Nacional das ONG que intervêm na problemática das Crianças Desaparecidas e/ou Exploradas Sexualmente;

Refletir sobre a dimensão do fenomeno das Crianças Desaparecidas e/ou Exploradas Sexualmente;

Promover a articulação entre as ONG, as Autoridades Judiciais e as Forças Policiais;

Concentrar esforços e sensibilizar as Organizações Públicas e Particulares para a problemática das Crianças Desaparecidas e/ou Exploradas Sexualmente;

Incentivar a promoção de iniciativas para combater o Desaparecimento e/ou Exploração Sexual de Crianças.

Texto: Dra. Relva
05/07/2005

bullying

Segundo o Cambrige Dictionary, “bulliyng” quer dizer “maltratar ou ameaçar alguém menor ou menos poderoso, forçando-o a fazer algo que não quer”. A tradução poderia ser “assédio”: assédio físico, assédio sexual, assédio moral. O bullying vem-se tornando prática cada vez mais freqüente em escolas, públicas ou particulares. As ações são dirigidas a qualquer um que seja “diferente” – gordinho, magrelo, nerd.

As ações são violentas e humilhantes, e de vez em quando atingem graus extremos, como as que vemos acontecer nos Estados Unidos, com uso de armas, e que deram lugar a filmes como Tiros em Columbine. As conseqüências são deletérias para a pessoa e a personalidade, ocasionando medo de ir à escola, vergonha, depressão, vontade de morrer. E um grande sentimento de impotência.

Na vida diária há outros tipos de “bullying”, configurados pelo uso do poder para conseguir favores sexuais ou pecuniários. Está em curso também – com sérias conseqüências – o assédio moral nas empresas e repartições. Assume desde formas veladas, como o boato, até níveis mais altos de desmoralização perante os colegas e o público.

Há três coisas sem volta: a palavra proferida, a flecha disparada, o tempo perdido. E a reputação. No caso do assédio moral, resta ainda ao humilhado e ofendido o ônus da prova, só que não encontrará testemunha contra a chefia. Não dispomos mais da presença de um Sócrates para indagar: é necessário? é útil? prejudica alguém?

As escolas têm reforçado a vigilância, outras promovem debates entre os alunos – são medidas paliativas. O que propicia tal comportamento é a perda vigente dos limites e o materialismo exacerbado, que não levam em consideração o outro. Enchemos nossos filhos de coisas, mas não lhes ensinamos solidariedade; estimulamos a competição para que obtenham satisfação plena dos desejos; e porque só pensamos em NOSSOS filhos e nunca nas outras crianças.

“Pensar enlouquece”, como se sabe…então, preferimos atacar os sintomas e não falar nas causas. A banalização do grande e do pequeno mal não mais preocupa – as coisas são assim, ou, como diz amigo meu, as coisas estão como elas querem. Pesquisadores de Harvard têm-se debruçado sobre a leniência dos pais para com a agressividade dos filhos e até o medo que têm deles. Filhos sem limites vão buscar na droga, no álcool, na anorexia, um modo de cancelar a realidade.

Para Tales Ab’ Saber, autor de “O sonho restaurado”, uma noite profunda caiu sobre nós: já não conhecemos nenhum valor que não passe pelas quantidades e pelo dinheiro. Depois, vamos todos marchar pela Paz. Pais, mestres, nós, todos, inquietemo-nos de não nos inquietar.

bully7

A FORMA ESCOLAR DA TORTURA
Rubem Alves

Eu fui vítima dele. Por causa dele, odiei a escola. Nas minhas caminhadas passadas, eu o via diariamente. Naquela adolescente gorda de rosto inexpressivo que caminhava olhando para o chão. E naquela outra, magricela, sem seios, desengonçada, que ia sozinha para a escola. Havia grupos de meninos e meninas que iam alegremente, tagarelando, se exibindo, pelo mesmo caminho. Mas eles não convidavam nem a gorda nem a magricela. “Bullying” é o nome dele.

Dediquei-me a escrever sobre os sofrimentos a que crianças e adolescentes são submetidos em virtude dos absurdos das práticas escolares, mas nunca pensei sobre as dores que alunos infligem a colegas seus. Talvez eu preferisse ficar na ilusão de que todos os jovens são vítimas. Não são. Crianças e adolescentes podem ser cruéis.

“Bullying” Fica o nome em inglês porque não se encontrou palavra em nossa língua que seja capaz de dizer o que “bullying” diz. “Bully” é o valentão: um menino que, por sua força e sua alma deformada pelo sadismo, tem prazer em bater nos mais fracos e intimidá-los.

Vez por outra, crianças e adolescentes têm desentendimentos e brigam. São brigas que têm uma razão. São acidentes. Acontecem e pronto. Não é possível fazer uma sociologia dessas brigas. Depois delas, os briguentos podem fazer as pazes e se tornar amigos de novo. Isso nada tem a ver com “bullying”. No “bullying”, um indivíduo – o valentão – ou um grupo escolhe a vítima que vai ser seu “saco de pancadas”. A razão? Nenhuma. Sadismo. Eles “não vão com a cara” da vítima. É preciso que a vítima seja fraca, que não saiba se defender. Se ela fosse forte e soubesse se defender, a brincadeira não teria graça.

A vítima é uma peteca: todos batem nela e ela vai de um lado para outro sem reagir. Pode-se fazer uma sociologia do “bullying” porque ele envolve muitas pessoas e tem continuidade no tempo. A cada novo dia, ao se preparar para a escola, a vítima sabe o que a aguarda.

Até agora, tenho usado o artigo masculino, mas o “bullying” não é monopólio dos meninos. As meninas também usam outros tipos de força que não a dos punhos. E o terrível é que a vítima sabe que não há jeito de fugir. Ela não conta aos pais, por vergonha e medo. Não conta aos professores porque sabe que isso só poderá tornar ainda pior a violência dos colegas. Ela está condenada à solidão. E ao medo acrescenta-se o ódio.

A vítima sonha com vingança. Deseja que seus algozes morram. Vez por outra, ela toma providências para ver seu sonho realizado. As armas podem torná-la forte. Na maioria dos casos, o “bullying” não se manifesta por meio de agressão física, mas por meio de agressão verbal e de atitudes. Isolamento, caçoada, apelidos.

Aprendemos com os animais. Um ratinho preso numa gaiola absorve a informação rapidamente. Uma alavanca lhe dá comida. Outra alavanca produz choques. Depois de dois choques, o ratinho não mais tocará a alavanca que produz choques. Mas tocará a alavanca da comida sempre que tiver fome. As experiências de dor produzem afastamento. O ratinho continuará a não tocar a alavanca que produz choque ainda que os psicólogos que fazem o experimento tenham desligado o choque e tenham ligado a alavanca à comida.

Experiências de dor bloqueiam o desejo de explorar. O fato é que o mundo do ratinho ficou ordenado. Ele sabe o que fazer. Imaginem, agora, que uns psicólogos sádicos resolvam submeter o ratinho a uma experiência de horror: ele levará choques em lugares e momentos imprevistos ainda que não toque em nada. O ratinho está perdido. Ele não tem formas de organizar o seu mundo. Não há nada que ele possa fazer. Seus desejos, imagino, seriam dois. Primeiro: destruir a gaiola, se pudesse, e fugir. Isso não sendo possível, ele optaria pelo suicídio.

Edimar era um jovem tímido de 18 anos que vivia na cidade de Taiúva, no Estado de São Paulo. Seus colegas fizeram-no motivo de chacota porque ele era muito gordo. Puseram-lhe os apelidos de “gordo”, “mongolóide”, “elefante cor-de-rosa” e “vinagrão”, por tomar vinagre de maçã todos os dias, no seu esforço para emagrecer. No dia 27 de janeiro de 2003, ele entrou na escola armado e atirou contra seis alunos, uma professora e o zelador, matando-se a seguir.

Luis Antônio era um garoto de 11 anos. Mudando-se de Natal para Recife por causa do seu sotaque, passou a ser objeto da violência de colegas. Batiam nele, empurravam-no, davam-lhe murros e chutes. Na manhã do dia fatídico, antes do início das aulas, apanhou de alguns meninos que o ameaçaram com a “hora da saída”. Por volta das 10h30, saiu correndo da escola e nunca mais foi visto. Um corpo com características semelhantes ao dele, em estado de putrefação, foi conduzido ao IML (Instituto Médico Legal) para perícia.

Achei que seria próprio falar sobre o “bullying” na seqüência do meu artigo sobre o tato que se iniciou com: “O tato é o sentido que marca, no corpo, a divisa entre os deuses Eros, do amor, e Tânatos, da morte. É por meio do tato que o amor se realiza. É no lugar do tato que a tortura acontece”. O “bullying” é a forma escolar da tortura.

Tire suas dúvidas sobre o momento certo de reforçar a alimentação do seu filho.

Papinha

Seu filho está crescendo e você não sabe se já pode reforçar sua alimentação? Qual é o momento certo de dar a primeira papinha? Quais alimentos são recomendáveis para os bebês? A pediatra Thelma Oliveira, autora do livro “Pediatria Radical”, dá as respostas:

A partir de quando posso dar papinha para o meu filho?

A Organização Mundial de Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria recomendam, insistentemente, que o bebê seja alimentado apenas com leite materno até os 6 meses. O leite é o principal alimento para as crianças nos 2 primeiros anos de vida.

O acréscimo de outros alimentos é complementar ao leite, seja ele materno ou não. Para as crianças que são amamentadas, isso deve acontecer apenas a partir dos 6 meses.

E se meu filho não aceitar a papinha?

Não há pressa. A aflição para que a criança aceite de início outros sabores e texturas pode gerar ansiedade. O bebê é quem determina seu próprio ritmo, com ajuda da mãe. Imperceptivelmente, ele passará a comer sozinho, pegando o alimento com as mãos, até ser capaz de manejar a colher.

Com que tipo de alimento posso começar?

O primeiro alimento recomendável é a batata-doce assada com a casca, no forno. Tira-se a polpa já fria e oferece-se ao bebê. Pelo sabor adocicado, ele aceitará com gosto.

Progressivamente, inicia-se uma fruta como banana ou maçã raspada, por exemplo. Com o tempo, a mãe sente quando pode incrementar a papinha com outros vegetais, entre os quais se sobressai a abóbora, altamente nutritiva.

Preciso montar uma dieta balanceada para o bebê?

Sim, o balanceamento da dieta é necessário desde o início, usando temperos habituais, azeite de oliva e pouco sal. Nos intervalos, não é necessário oferecer guloseimas, que poderão tirar o apetite da criança para os alimentos básicos.

Farinhas e cereais devem ser usados com cuidado, ou seja, a luta contra as calorias excessivas começa cedo.

O que devo preferir na hora de montar o cardápio?

Frutas, frutas, frutas. Elas são nutritivas, apetitosas e contêm mais sais minerais e vitaminas do que qualquer legume. Indico a banana, o mamão, a maçã, a perae o abacate, que é rico em gorduras insaturadas.

Quando se inicia a oferta, as frutas são amassadas. Depois, a criança pode pegar os pedaços com a mãozinha (o que ajuda no seu treinamento da coordenação mão-boca-cérebro) até que consiga usar a colher.

Se a família come carne, a mãe pode usar o caldo ou a carne moída na papinha, juntamente com caldo de feijão e uma gema de ovo cozida 3 vezes por semana. Se não come, pode-se acrescentar arroz integral, quinua, feijão ou outros cereais equivalentes.

Fonte: IG

Segunda Blogagem Coletiva – “Em Defesa Da Infância” 2009

Não à erotização infantil

O Blog Diga Não À Erotização Infantil convida todos os blogs e sites amigos da criança a participarem da segunda blogagem coletiva “Em Defesa da Infância”, dias 18 e 25 de maio de 2009.

Dia 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Foi instituído pela Lei 9.970. A idéia surgiu em 1998 quando cerca de 80 entidades públicas e privadas, reuniram-se na Bahia para o 1º Encontro do Ecpat no Brasil. Organizado pelo CEDECA/BA, representante oficial da organização internacional que luta pelo fim da exploração sexual e comercial de crianças, pornografia e tráfico para fins sexuais, surgida na Tailândia, o evento reuniu entidades de todo o país. Foi nesse encontro que surgiu a idéia de criação de um Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-Juvenil.

Foi escolhido o 18 de maio em homenagem à menina Araceli. Seqüestrada em 18 de maio de 1973, Araceli Cabrera Sanches, então com oito anos, foi drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradicional família capixaba. Muita gente acompanhou o desenrolar do caso, desde o momento em que Araceli entrou no carro dos assassinos até o aparecimento de seu corpo, desfigurado pelo ácido, em uma movimentada rua da cidade de Vitória. Poucos, entretanto, foram capazes de denunciar o acontecido. O silêncio da sociedade capixaba acabaria por decretar a impunidade dos criminosos.

Dia 25 de maio é o Dia Internacional Das Crianças Desaparecidas. A data refere-se ao dia do rapto do menino americano Etan Patz, em 1979. Etan tinha seis anos e jamais foi encontrado. Em 1983, os EUA reconheceram a data. Na Europa a data foi introduzida pela ONG Child Focus, após o caso Marc Dutroux, belga que raptou, estuprou e matou seis meninas. No Brasil o símbolo maior da luta pelas crianças desaparecidas é Arlete Caramês, mãe de Gulherme, desaparecido desde 17 de junho de 1991.

COMO PARTICIPAR DA BLOGAGEM COLETIVA E DE NOSSO MOVIMENTO

No dia 18 de maio próximo poste em seu blog textos sobre exploração sexual, abuso sexual, pedofilia e perigos na internet para crianças. Não teremos um texto padrão. Você pode pesquisar em nosso blog ou sites de notícias e escolher o texto que mais lhe agradar para postar em seu site. O importante é repassar as informações, alertar, protestar! Informar às pessoas de como elas podem reconhecer que uma criança está sendo abusada, como e onde denunciar, alertar pais e crianças sobre os perigos da Internet, exigir o fim da impunidade e que todo crime contra crianças seja considerado hediondo.

No dia 25 de maio, pedimos ajuda mais uma vez para divulgação de nosso Movimento Pela Criação do Alerta Amber no Brasil. O Alerta Amber é um alerta nacional de crianças desaparecidas dos EUA. Queremos que um alerta semelhante seja implementado em nosso país. Em cerca de 75% dos raptos, a criança é morta nas primeiras horas por seus seqüestradores e cerca de 10 a 15% das crianças desaparcidas podem jamais ser encontradas. A criação de um cadastro e alerta efetivo de crianças raptadas poderia mudar esse contexto, salvando vidas, quando a notícia do desaparecimento da criança fosse alardeada rapidamente, principalmente pelos meios de comunicação. Recentemente, o Deputado Alfredo Kaefer apresentou, na Câmara dos Deputados, projeto de lei para criação do alerta nacional. Queremos pressionar para que seja rapidamente aprovado e efetivado. Leia aqui mais sobre nosso Movimento e ajude a divulgá-lo.

Para a semana de 25 de maio, convidamos a uma blogagem coletiva a respeito do drama das crianças desaparecidas e raptadas que também pode ser pesquisando em nosso blog clicando AQUI. Quem quiser também poderá divulgar a imagem de nosso Movimento ou nosso vídeo de divulgação, em seus blogs ou através do orkut.

Aos blogs que vão participar da Blogagem Coletiva, que por favor deixem abaixo comentário com endereço de seu site.

Muito obrigada à solidariedade de todos que ajudarem esse Movimento.

“A criança é o princípio sem fim. O fim da criança é o princípio do fim. Quando uma sociedade deixa matar as crianças é porque começou seu suicídio como sociedade. Quando não as ama é porque deixou de se reconhecer como humanidade.

Afinal, a criança é o que fui em mim e em meus filhos enquanto eu e humanidade. Ela, como princípio, é a promessa de tudo. É minha obra livre de mim.

Se não vejo na criança, uma criança, é porque alguém a violentou antes, e o que vejo é o que sobrou de tudo que lhe foi tirado. Diante dela, o mundo deveria parar para começar um novo encontro, porque a criança é o princípio sem fim e seu fim é o fim de todos nós.”

Herbert de Sousa (BETINHO) -Sociólogo

Parto do Principio


Nós apoiamos essa idéia!

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS

Por uma nova forma de gestar, parir e nascer!

De 11 a 17 de maio diversos países estarão comemorando a Semana Mundial pelo Respeito ao Nascimento (SMRN). Para marcar a data no Brasil, a Rede Parto do Princípio (www.partodoprincipio.com.br) realiza uma exposição nacional com fotos em preto e branco de mulheres brasileiras no momento do nascimento de seus filhos. A exposição acontece simultaneamente em várias cidades do país e tem como objetivo incentivar o vínculo afetivo entre mãe e filho, a amamentação na primeira hora de vida e o parto humanizado. Em alguns municípios a exposição começa mais cedo, em comemoração ao Dia das Mães ou estende-se por mais tempo. (Confira abaixo a relação de locais e datas).

A Semana Mundial pelo Respeito ao Nascimento (www.smar.info ), iniciativa da Associação Francófona pelo Parto Respeitoso (“Alliance Francophone pour l’Accouchement Respecté” – http://www.afar.info) é celebrada anualmente, desde 2004, durante o mês de maio em diversos países.

Este ano, a campanha aborda O aumento da taxa de cesarianas no mundo com o slogan Diga não à cesárea desnecessária!

A Parto do Princípio é uma rede de mulheres, consumidoras e usuárias do sistema de saúde brasileiro, que oferece informações sobre gestação, parto e nascimento baseadas em evidências científicas e recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Conta hoje com mais de 300 pessoas trabalhando voluntariamente, em 16 estados e no Distrito Federal, na divulgação dos benefícios do parto ativo.

Para a Parto do Princípio, a Semana Mundial pelo Respeito ao Nascimento é uma ocasião para reafirmar publicamente que a reprodução humana é um fato social em primeiro lugar; que a mudança é possível e que nunca é tarde para que os profissionais e os estabelecimentos médicos revejam suas práticas.

Para a realização da Exposição, a Rede contou com o apoio do Guia do Bebê (www.guiadobebe.com.br).

Os riscos da cesariana

No Brasil, 79,7% dos partos no setor privado¹ são cesarianas, em sua maioria eletivas – realizadas antes do trabalho de parto – o que claramente revela o desconhecimento da população acerca dos riscos intrínsecos à realização desta cirurgia.

Mesmo no setor público, as taxas 27,5% de cesariana atingem praticamente o dobro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde, que é de 15%. Entretanto, este excesso de cirurgias cesarianas não reflete em melhores resultados maternos e neonatais, visto que o Brasil, desde a inclusão da “cultura da cesárea” não apresenta redução nos seus altos índices de mortalidade materna (75 mulheres a cada 100 mil nascido vivos), segundo a conceituação da OMS (que aceita um índice de 20 mortes maternas a cada 100 mil nascidos vivos).

É necessário que a sociedade se mobilize divulgando ações e disseminando informações acerca deste tema, para que nossas mulheres e crianças não sejam submetidas a riscos aumentados – na maioria das vezes, desnecessários – em um momento que deveria ser de tranquilidade, intimidade e segurança.

ALGUNS RISCOS DA CESARIANA

Para a Mãe

* Maior risco de Morte Materna em decorrência da cirurgia (2,8% maior na cesariana eletiva quando comparada ao parto vaginal)
* Maior risco de Histerectomia – retirada dos órgãos reprodutivos
* Maior probabilidade de Internação Prolongada
* Maior chance de desenvolver Infecção
* Risco aumentado de Depressão Pós-Parto
* Dor generalizada ou no local da cirurgia
* Risco de criação de Coágulos Sanguíneos e Trombose
* Corte Cirúrgico Acidental em outros órgãos
* Obstrução Intestinal

Para o Bebê

* Contato Tardio com a mãe
* Corte Cirúrgico acidental
* Maior probabilidade de Fracasso no Aleitamento Materno
* Maior dificuldade para estabelecer o Vínculo Afetivo
* Desconforto Respiratório por iatrogenia – interferência médica no processo natural
* Maior possibilidade de desenvolver Asma

Para Gestações Futuras

* Aumento das taxas de Infertilidade
* Maior possibilidade de Gravidez Ectópica
* Maior possibilidade de Placenta Prévia
* Riscos aumentados de Ruptura Uterina
* Dor abdominal decorrente de Aderências – outros órgãos aderem à cicatriz cirúrgica
* Descolamento Prematuro de placenta

Veja abaixo os locais das exposições já confirmadas:

Bauru – SP
Contato: Celma – (14) 3011-0077 celmapsid@ig.com.br
SENAC – a partir de 13 de maio

Belém – PA
Contato: Thayssa (91) 8884.0209 – thayssa.rocha@partodoprincipio.com.br
Laboratório Beneficente de Belém http://www.lbb.com.br – de 11 a 16 de maio (exposição de fotos)
Restaurante D. Giuseppe – de 08 a 16 de maio (exposição virtual de fotos)
Praça Batista Campos – 17 de maio (exposição de fotos e caminhada de encerramento às 9h)

Belo Horizonte – MG
Contato: Pollyana (31) 9312-7399- polly@partodoprincipio.com.br
PUC Minas Barreiro – a partir de 12 de maio (exposição de fotos) durante a III Semana da Enfermagem

Brasília – DF
Contato: Clarissa (61) 3201-0069 e 8139-0099 – clarissa@partodoprincipio.com.br
Shopping Páteo Brasil – 09 de maio – conversa com as mulheres sobre riscos das cesarianas
Associação Vivendo e Aprendendo – de 11 a 15 de maio
Centro Cultural de Brasília – 16 e 17 de maio

Curitiba- PR
Contato: Patrícia (41) 3336-1939 e 9113-6364 – patricia@partodoprincipio.com.br
Estúdio MM Áudio – a partir de 09 de maio

Garanhuns – PE
Contato: Juliana (87) 9104-5381 – juliana_coelho_ferra@hotmail.com ou Ilza (87… – ilza_rafa@hotmail.com
Livraria Casa Café – de 11 a 19 de maio

Juiz de Fora – MG
Contato: Soraya (32) 3226-2461 e 8838-3072 – smperobelli@gmail.com Centro de Diagnósticos CEDIMAGEM – de 11 a 17 de maio (exposição de fotos)

Maringá – PR
Contato: Patrícia (44)3025-3219 e 9927-7298 – patimerlin@partodoprincipio.com.br
Cliniprev – de 11 a 17 de maio (exposição de fotos)

Porto Alegre – RS
Contato: Alessandra (51)3028-8728 e 9685-2114 –alessandrakrause@partodoprincipio.com.br e Maria José (51…
Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo- http://www.cccev.com.br – de 11 a 16 de maio (Exposição de fotos)
Parque de Redenção – dia 16 de maio – Tenda com exposição de fotos e caminhada com grávidas e mães/pais com filhos.

Rio de Janeiro – RJ
Contato: Denise (21) 2222-6658 e 9797-1602 – denise@partodoprincipio.com.br
Livraria Largo das Letras – de 12 a 17 de maio

São Bernardo do Campo – SP
Contato: Denise (11) 9383-4429 – denise.niy@uol.com.br
Bruxa Banguela Rock Bar – Lançamento do livro Lembranças fecundas: meu diário afetivo da gravidez”, de Denise Yoshie Niy

São Paulo – SP
Contato: Roberta (11) 8208-2119 – roberta@partodoprincipio.com.br
Continental Shopping – de 08 a 27 de maio (exposição de fotos)
Faculdade de Saúde Pública – a partir de 11 de maio (exposição de fotos)

¹ Dados da Agência Nacional de Saúde – 2001.

Sem o céu, ela é um nada
Sem os anjos, um zero
Sem a diligente abelha
Uma flor despetalada.

Sem o vento, uma insignificante.
Sem as borboletas,
Simples gota de orvalho no gramado.

Talvez não passe de ser
A mais humilde mãezinha do pedaço
Mas, tirando-a de lá,
A casa perde a feição
Daquilo a que chamam lar.

Emily Dickinson – Trad. Relva

Flores - Picasso

Hoje, vou contar uma das histórias mais lindas que eu já ouvi.

Em alguma tribo de índios brasileiros (no Brasil, temos 180 nações indígenas. Cada uma tem sua etnia, fala sua própria língua, canta seus próprios cantos), reza a lenda que é um costume ancestral descobrir o som de cada criança que está por vir.

Quando uma índia está prestes a parir, as mulheres mais próximas (irmãs, primas) escolhem uma ocasião para se retirar da aldeia e procurar abrigo na mata. Durante um ritual que dura a noite toda, elas recebem o som da criança que está chegando. Ao nascer do sol, elas voltam à tribo e ensinam para todos a música daquela criança.

Quando a índia da à luz, o bebê é recebido por toda a tribo cantando o seu som, sua música, que é única! Essa cena se repetirá a cada ritual de passagem dela na infância, puberdade, idade adulta. A tribo se reúne e canta para cada um nos momentos mais importantes de sua vida.

Quando um jovem se perde e comete algum ato nocivo à tribo ou a si próprio, os anciãos com sua sabedoria ancestral convocam a tribo para cantar a música daquele jovem na tentativa de lembrá-lo de quem ele realmente é.

Que sofisticação, que delicadeza! Fico impactada com a profundidade do significado dessa história. Certamente, é necessário toda uma tribo para educar uma criança. E a nossa arrogância urbano-intelecto-científica ainda nos faz crer que a sociedade primitiva é a deles! Precisamos buscar nossas raízes tupis e guaranis, aprender com a sabedoria dos povos que já estavam por aqui antes da colonização.

Viver numa grande metrópole em 2009 dá bem a medida do quanto a civilização não anda nada civilizada.

Outro costume indígena que me fascina diz respeito à relação que os índios têm com os sonhos. Sonhar é tão fundamental para eles que, em algumas tribos, mudanças geográficas, por exemplo, só podem ocorrer depois que o Pajé tiver sonhado com elas.

Os índios alcançaram, por meio dos sonhos, um nível de diálogo com o inconsciente incrível. Eles acreditam neles, concedem aos sonhos importância igual ou maior do que a dada aos fatos que ocorrem no período de alerta e, o principal, conseguem integrar as informações tiradas dos sonhos em sua realidade diária.

Ai como eu gostaria de cantar a música das minhas crianças e, mais ainda, de poder contar com o apoio de toda a tribo para educá-las da melhor maneira. Passar para elas uma forte noção de grupo e iniciá-las nos mistérios da boa conduta… Parece sonho!

O som e o sonho de cada um – Maria Paula

correioweb de 03.05.09


maio 2009
S T Q Q S S D
    jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Estatísticas

  • 41,144 visitantes

Dra. Relva - Blog Oficial

Páginas